[avatar user=”KS1″ size=”thumbnail” align=”left”]Katia Saules – Atriz, formada em Artes Cênicas, escritora, critica de artes e colaboradora do site Na Pauta Online.[/avatar]

Antônio dos Santos, vulgo VOLTA SECA, o mais jovem e também mais temido dos cangaceiros do bando do Lampião.

Na pureza de suas origens, que contrastava com sua bravura…o personagem se mistura ao ator em alguns momentos, e trás contemporaneidade ao espetáculo.

Uma montagem cuidadosa, simples e belíssima. Cenário detalhista, que com a ajuda de slides nos reporta a cada momento citado, um figurino bastante coerente junto de adornos que o complementam e destaque para uma sensível luz, que contribui enfaticamente para que o espetáculo aconteça e emocione.

Um monólogo já é um ato de bravura e o jovem ator Alan Pellegrino dá conta do recado lindamente. Criou o texto e a composição de um personagem que é ao mesmo tempo ríspido e cruel, com tão pouca idade, mas também era um artista, que deixava a música lhe falar mais alto, quando compunha seus poemas…

Seguro, e bem apropriado de seu ‘Volta Seca’, ele conta a história e nos faz participar dela utilizando-se de um recurso inteligente, quando entrega ‘vendas’ para toda a plateia, e nos faz sentir, mesmo que por alguns instantes, a sensação do medo que existiu em vários momentos da vida de seu personagem.

Um bonito espetáculo, que chega em boa hora no cenário carioca, e mostra que, infelizmente, a violência de 1930 não é tão diferente da que vivemos hoje. E que mesmo em meio a tanta tristeza, ainda se pode ver beleza.