A Comissão Europeia aprovou esta segunda-feira a aquisição da americana Avon pela Natura, após concluir que não haverá problemas de concorrência no mercado europeu.

Bruxelas reconheceu em comunicado que as atividades das empresas coincidem em várias categorias de produtos de beleza e cuidado pessoal. No entanto, detalhou que a compra irá gerar um aumento “moderado” da quota de mercado e enfatizou a combinação das posições de mercado “limitadas” em termos gerais das empresas “nos poucos mercados afetados”.

O governo do bloco também afirmou que continuará a haver “uma série de potentes fornecedores concorrentes em todas as áreas de produtos relevantes e nos países do Espaço Económico Europeu”.

A Avon é uma fabricante e fornecedora global de produtos de beleza e cuidado pessoal, principalmente mediante venda direta. A brasileira Natura também produz e fornece os mesmos tipos de produtos mundialmente e está presente no Espaço Económico Europeu com marcas como “The Body Shop” e “Aesop”.

A Natura anunciou em maio que tinha chegado a um acordo para adquirir a Avon. De acordo com a Comissão Europeia, a operação foi investigada através do procedimento habitual de análise de fusões.

Segundo o acordo, uma nova empresa, chamada Natura & Co ou Natura Holding, será a titular das ações de Natura e Avon, cujas operações e negócios serão combinados.

Os atuais acionistas da Natura terão 76% da nova empresa, enquanto os 24% restantes estarão nas mãos dos atuais acionistas da fabricante americana. Uma vez concluída a transação, Natura & Co passará a ser o quarto maior grupo exclusivo de beleza no mundo.

Natura e Avon contarão juntas com 6,3 milhões de representantes e consultores, 3,2 mil lojas em diversos países do mundo e faturamento anual superior a 10 mil milhões de dólares.

Fonte: EFE