Brasil, Cuiabá (MT)/2020 – Os servidores da SEMA repudiam o ato do governo de contratar via processo seletivo mais 10 analistas de meio ambiente ao invés de realizar concurso público.

Essa prática adotada pelo governo não beneficia nenhuma das secretarias de Estado e muito menos a SEMA, mas contribui pelo enfraquecimento do serviço público, pois o contrato é temporário e estes profissionais, após treinado, acabam levando consigo conhecimentos e qualificações que só o estado oferece, onerando os cofres públicos e dificultando o cumprimento das Leis de Carreira e outras Leis em vigor.

Em abril de 2019 o governo já realizou um processo seletivo para contratar 50 profissionais, mesmo estando em estado de calamidade financeira e agora novamente com a mesma prática, adotando medidas paliativas, com altos custos, demonstrando um forte interesse em terceirizar o serviço público do Estado e desvalorizando o papel do servidor da SEMA na defesa de um Meio Ambiente equilibrado para estas e as futuras gerações.

Os servidores pedem que seja feito concurso público para cobrir os cargos vagos. Atualmente existem 86 cargos vagos de Analista de Meio Ambiente, 140 cargos vagos de Técnico de Meio Ambiente e 33 de Assistente de Meio Ambiente e estes números só tendem a aumentar com o aumento de aposentadoria dos servidores da ativa.

Quando se presta um concurso público, o candidato assume o cargo com a responsabilidade de atender bem a sociedade no cumprimento do seu dever e infelizmente a prática excessiva de processos seletivos contribui na desvalorização do servidor e principalmente para a sociedade em geral que é a mais afetada por este tipo de gestão. Queremos é a valorização do servidor público, queremos respeito com a nossas Leis de Carreira, queremos é Concurso Público.