O conglomerado General Eletric dispensará durante quatro semanas a metade dos funcionários das fábricas de motores de aviões nos Estados Unidos, devido a crescente pressão sobre a indústria do setor, provocada pela pandemia da Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, segundo informa a Efe-DowJones.

“Devido o impacto sem precedentes da Covid-19 no setor da aviação comercial, a GE Aviation está implementando uma redução temporária na montagem de motores comerciais e algumas operações de fabricação de componentes por até quatro semanas, afirmou um porta-voz da companhia à emissora americana “CNBC”.

A licença não remunerada afeta milhares de trabalhadores, embora o número concreto ainda não tenha sido estimado, e acontece dez dias depois da demissão de 10% do quadro nos EUA da divisão, o que representou cerca de 2,5 mil pessoas, em um dos primeiros grandes cortes de pessoal das multinacionais do país.

Na ocasião, a GE ainda indicou que haveria paralisação dos serviços da metade da equipe de manutenção e reparo durante 90 dias.

Os trabalhadores afetados pela medida mais recente atuam na maior e mais rentável divisão da General Eletric, que produzem motores comerciais para aeronaves da Boeing e da Airbus. Sem salários, o grupo seguirá recebendo os benefícios médicos oferecidos pela companhia.

A Boeing, por sua vez, anunciou nesta quinta-feira que oferecerá ao corpo de funcionários aposentadoria antecipada e demissões estimuladas, por causa do impacto causado pela Covid-19, após a paralisação de fábricas em Seattle, no estado de Washington, por duas semanas.

De acordo com dados divulgados pelo Departamento de Trabalho dos EUA, quase 10 milhões de americanos deram entrada no seguro-desemprego nas últimas duas semanas.

Fonte: EFE