Os Estados Unidos “poderiam ter salvado vidas” se tivessem adotado mais cedo medidas restritivas para conter o avanço do novo coronavírus, disse neste domingo Anthony Fauci, médico especialista em doenças infecciosas e um dos principais integrantes da força-tarefa criada pela Casa Branca para responder à pandemia.

“Se tivéssemos, desde o início, fechado tudo, as coisas poderiam ter sido um pouco diferentes”, disse o médico à rede de televisão CNN, reconhecendo no entanto que outras circunstâncias dificultavam a tomada deste tipo de decisão.

Os EUA têm mais de 730mil casos de coronavírus e 40mil mortes, com Nova York sendo o epicentro da doença no país.

Fauci também sugeriu na entrevista que algumas localidades dos EUA poderiam voltar a uma rotina normal já em maio.

Regras de distanciamento social no país foram anunciadas pelo governo do presidente Donald Trump em 16 de março. Depois, estas foram estendidas para abril.

Diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos desde 1984, Fauci, 79 anos, é um dos principais especialistas do mundo em epidemias. Ele serviu aos governos de seis presidentes de ambos os partidos republicano e democrata (Ronald Reagan, George Bush, Bill Clinton, George W. Bush, Barack Obama e Donald Trump). Nesta trajetória, o médico teve papel crucial no combate a diversas epidemias anteriores, principalmente a de HIV/Aids, a partir dos anos 1980.

Quando perguntado por um âncora da CNN sobre uma reportagem do jornal New York Times que apontou que Fauci e outros conselheiros em saúde do governo sugeriram medidas mais agressivas no final de fevereiro, Fauci disse que técnicos como ele fazem recomendações “puramente do ponto de vista da saúde”.

“Muitas vezes, a recomendação é aceita. Às vezes, não é. Mas as coisas são como elas são, e (o que importa) é onde estamos agora.”

Fauci, que lidera a resposta dos EUA ao coronavírus, acrescentou que “ninguém negaria” que, logicamente, uma mitigação mais dura e precoce poderia ter salvado vidas.

Mas ele disse que outros tipos de questões tornavam “esse tipo de decisão complicado”.

“Houve muita contrariedade em fechar as coisas naquela época.”

O médico apontou também que vários fatores explicam a situação atual dos EUA, como o tamanho e a heterogeneidade do país, e não apenas um começo posterior na mitigação.

Fauci acrescentou na entrevista que partes do país podem começar a retornar lentamente à normalidade, “pelo menos em alguns aspectos, talvez no próximo mês”.

“Não é desejável fazer algo precipitadamente”, enfatizou o médico, destacando que encerrar os esforços de contenção do vírus apressadamente pode levar a um retorno significativo dele.

“Vai depender de onde você está no país, a natureza do surto que você já vivenciou ou a ameaça de um surto pelo qual você não passou ainda.”

Ele disse esperar também que as eleições presidenciais americanas, previstas para novembro, ainda aconteçam, contando que o país adotará medidas ponderadas ao abrandar as restrições.

Fonte: BBC