O presidente dos EUA, Donald Trump, vai sofrer uma “derrota histórica” nas eleições presidenciais do próximo novembro devido à crise provocada pela pandemia de coronavírus, segundo adverte um modelo preditivo desenvolvido pela Oxford Economics.

Este “think-tank” britânico parte de um cenário de recessão nos Estados Unidos no qual o aumento do desemprego e a inflação vai evitar a reeleição do republicano, que irá obter apenas 35% dos votos nessas eleições, uma redução significativa frente aos 55% previstos pela Oxford Economics antes da COVID-19.

“Será preciso um milagre económico para que os resultados favoreçam Trump”, indica o relatório, que presume que a economia americana ainda não terá recuperado do impacto do coronavírus no próximo outono.

Assim, considera que a economia americana estará “em piores condições que no pior momento da Grande Depressão”, com o desemprego acima de 13%.

“Uma taxa de desemprego superior ao pico registado durante a crise financeira global, uma caída de 6% nos rendimentos dos lares a respeito dos níveis anteriores ao vírus e uma deflação transitória farão que a economia seja um obstáculo quase insuperável para Trump em novembro”, acrescenta o relatório.

Nesse contexto, a Oxford Economics considera que o Partido Democrata está a caminho de uma “clara vitória”, embora a sua percentagem de votos irá depender da participação nas urnas e da evolução da pandemia.

Os observadores recordam que o modelo preditivo deste instituto de investigação britânico acertou no resultado em 16 das últimas 18 eleições nos Estados Unidos, apenas falhando em 1968 e 1976.

Fonte: EFE