Envelhecer é intrigante. No início desse ano, completei 42 anos. Passei semanas tentando associar esse número (que parece gigantesco – pelo menos para mim) à alguma coisa que fizesse qualquer sentido.

O melhor resultado que, sem pesquisa, cheguei foi que 42 também é a massa atómica do cálcio… bem provavelmente porque os ossos passam a se auto corroer e o corpo fica cansado que só, deixando-nos sentir como pó de casca de ovos.

O número 42 é um primário, um pseudo-perfeito e é também é a nota máxima nas olimpíadas de matemática. Mas descobri algo que vou lembrar para sempre: Se dobrarmos uma folha de papel A4 ao meio e dobrar novamente por 42 vezes, com as medidas somadas seria possível chegar à lua.

Mas o destaque para qualquer pessoa que busca o número 42 na internet é que – esse número é a resposta para a vida, para o universo e para tudo. Talvez eu entenda um dia, ainda que seja teoria de livro de ficção. Ou talvez, como tantas outras coisas na vida, um dia faça algum sentido.

Parece que Douglas Adams estava certo, afinal: a resposta para a vida, o universo e tudo, é 42. Osastrônomos de Cambridge descobriram que 42 é o valor de uma constante científica essencial – uma que determina a idade do universo.

Em seu romance The Hitch Hiker’s Guide to the Galaxy (1979), Adams descreve como uma raça alienígena programa um computador chamado Deep Thought para fornecer a resposta definitiva a “Vida, Universo e Tudo”. Após sete milhões e meio de equações complexas e cálculos difíceis, retornou a resposta – 42.

Em menos tempo – dois anos – uma equipe do Cavendish Laboratory conseguiu o mesmo feito, usando uma nova técnica para estimar o valor da “Hubble Constant“. ” Isso mede a rapidez com que os objetos do universo estão se afastando – um resultado natural do Big Bang que criou o universo. O Dr. Richard Saunders, que liderou a pesquisa, pareceu um pouco surpreso com o resultado. “Fizemos duas medições para a constante, e a média delas é, bem, são 42”, disse ele. Mas ele insistiu que isso é “inteiramente fortuito” – embora milhares de fãs dos romances de Hitch Hiker possam discordar.

Adams disse ontem que, quando escreveu o romance há 20 anos, ele escolheu o número especialmente por sua natureza sonora: “Eu queria um número comum e agradável, que você não se importaria de levar para casa e apresentar a seus pais”.

Mais tarde, porém, ele percebeu que a escolha não foi por acaso: quando ele trabalhava para a empresa de cinema de John Cleese, Video Arts, como um “tomador de empréstimos”, ele e os outros roteiristas escolheram 42 por suas qualidades divertidas como uma piada.

A Constante Hubble indica a idade do universo, porque se soubermos com que rapidez tudo está se desintegrando, podemos descobrir há quanto tempo tudo estava junto no mesmo ponto – como calcular quanto tempo um filme está em execução medindo o filme e saber quantos quadros por segundo ele mostra.

Os astrônomos discutem há décadas sobre o valor da constante, calculando-o entre 20 e 80. Mas grandes valores implicam que o universo é mais jovem que suas estrelas mais antigas – um enigma lógico que o novo valor evita, disse o Dr. Saunders, como coloca a idade do universo em cerca de 16 bilhões de anos.

A equipe de Cambridge produziu a medição combinando dados de telescópios de raios-X com informações sobre radiação cósmica de fundo, sobra energia no espaço do Big Bang.

O Dr. Saunders insiste que futuras revisões alterarão o valor da constante do seu valor atual e ressonante. Isso seria adequado para Adams: “Ele aparece com muita frequência”, disse ele.

E aqui começa a pesquisa do que há de bom no número 43 já que o próximo aniversario não esta tão longe assim…..

via paulatooths.com