De acordo com um novo livro, The Art of Her Deal: The Untold Story of Melania Trump (A arte do seu acordo: a história não contada de Melania Trump), que será lançado na próxima terça-feira, 16 de junho, a primeira-dama dos EUA é descrita como uma mulher focada, implacável e ambiciosa.

Ela segue em frente e nunca olha para trás”, escreve a repórter do Washington Post Mary Jordan, autora da biografia não-autorizada.

O livro de 286 páginas, que desvenda segredos e negociatas que envolvem Melania Trump, promete trazer muitas dores de cabeça à Casa Branca que já se pronunciou sobre o assunto. “Mais um livro sobre a Sra. Trump, com informações e fontes falsas. Este livro pertence ao género de ficção”, adiantou  Stephanie Grisham, chefe de gabinete da mulher do presidente americano.

A obra conta a história de Melania desde que era criança e morava numa pequena cidade da Eslovénia, então parte da extinta Jugoslávia.

Alguns trechos foram reproduzidos pela imprensa norte-americana, confirmando os rumores de que Melania teria renegociado o seu acordo nupcial com Donald Trump antes de mudar para a Casa Branca, seis meses depois do marido assumir o mandato. Uma situação que para além de ter causado um pequeno escândalo,  custou ao contribuinte centenas de milhares de dólares em custos de segurança.

Entre as garantias pedidas, o livro destaca um documento assinado por Trump que garante que o filho em comum, Barron, de 14 anos, será tratado da mesma forma que os filhos mais velhos do presidente – Ivanka, Donald, Tiffany e Eric.

Um dos seus desejos atendidos no novo acordo pré-nupcial, segundo três pessoas próximas a Trump ouvidas por Jordan, seria garantir que o seu filho teria uma dupla cidadania — sendo a outra da Eslovénia, onde Melania nasceu — e que ele teria um emprego garantido na Organização Trump na Europa quando for mais velho.

Outra exigência da ex-modelo foi passar por tratamentos com um bom cirurgião plástico antes de aparecer oficialmente. “Ela é muito mais parecida com ele do que se imagina”, garante Mary Jordan.

Melania desculpou e ativou os instintos mais vis de Trump e, tal como ele, vê a Casa Branca como uma oportunidade de enriquecimento privado.

A obra dá a entender que Melania não é a vítima indefesa que tantas pessoas parecem acreditar ser. E aquela ideia de que fala fluentemente quatro ou cinco idiomas é um mito. Segundo a autora da biografia não autorizada, os rumores sobre essa habilidade linguística foram muito exagerados. É como dizer que falamos italiano fluentemente porque sabemos dizer ciao.

Longe de ser uma primeira-dama simpática, Jordan afirma que “há muitas evidências“, de que ela “não só aceitou e abraçou as aspirações políticas de Trump, como também foi uma parceira encorajadora“.

Outra biografia da primeira-dama publicada no ano passado com o título “Free, Melania”, descreve a mulher de Trump como “um enigma”. Mas Melania não será um enigma envolvida mistério, será alegadamente apenas uma oportunista.

Fonte: move