Brasil, Goiânia, agosto de 2020 – O Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, acatou os argumentos da Procuradoria-Geral do Município e deferiu o pedido de reconsideração da decisão que autorizava a transferência do urso Robinho para São Paulo.

Segundo as alegações apresentadas pela PGM, o animal está adaptado ao clima da cidade onde nasceu, visto que, por mais que a temperatura em Goiânia seja elevada e o clima seja seco, Robinho está habituado a tais condições, uma vez que vivencia a mesma por 17 anos.

Outra justificativa para a permanência do urso em Goiânia é o fato de que a mãe de Robinho faleceu em outubro de 2019, com idade aproximada de 43 anos. A longevidade da espécie varia de 20 a 30 anos em cativeiro, sendo Lucy considerada a ursa mais velha da América do Sul. Tal fato comprova que a ursa Lucy possuía uma boa qualidade de vida ou, caso contrário, não teria se reproduzido em cativeiro e nem tido uma vida tão longa. Condição, portanto, extensível ao urso Robinho.

Além disso, foi construído novo ambiente para acolhimento do urso Robinho no Zoológico de Goiânia, com área de 640m², que dispõe de ar condicionado, cascata em um tanque para banho (27m²), com capacidade de aproximadamente 9.000L de água, pontos de fuga, vegetação e arbustos, áreas de descanso em plataformas, troncos etc.

Diante do exposto, o juiz Sebastião Luiz Fleury suspendeu os efeitos da decisão anterior e determinou que o urso Robinho continue abrigado nas dependências do Zoológico de Goiânia.