O Serviço Postal dos Estados Unidos recebeu mais de 150 mil votos um dia após as eleições presidenciais, e alguns deles não valerão para o resultado final, segundo dados da própria agência apresentados à justiça na mesma semana.

Ainda, milhares de votos chegaram depois, tardiamente infelizmente.

O simples fato de os votos terem sido recebidos depois do fechamento das urnas não significa que não serão contados, já que em muitos estados ainda serão aceitos, desde que tenham sido enviados até o dia das eleições.

A expectativa é que este número continue a crescer durante as próximas horas e dias, enquanto o serviço postal recebe mais votos feitos a distância.

Dos 150 mil votos recebidos, cerca de 12 mil correspondem a estados nos quais os principais veículos da imprensa americana ainda não projetavam um vencedor. No caso dos estados que ainda os aceitavam, esses votos poderiam ser determinantes para o resultado eleitoral.

Nevada recebeu 4.518 votos por correio tardiamente e todos foram aceitos, assim como os 3.439 que chegaram à Pensilvânia e os 2.958 que tiveram como destino a Carolina do Norte.

Por outro lado, dois estados nos quais as eleições continuavam apertadas, Arizona (onde parte da imprensa americana já considerava o democrata Joe Biden como vencedor) e Geórgia, não contabilizarão os 853 e 864 votos, respectivamente, recebidos posteriormente ao fechamento das urnas.

A gestão do Serviço Postal dos EUA foi cercada de polêmica nas eleições americanas deste ano por causa do grande número de votos por correio, devido à pandemia de Covid-19, e da controversa postura do diretor, Louis DeJoy, alinhado ao presidente Donald Trump e que planejava fazer cortes na agência, mas que foi impedido por um juiz federal.

Os voto por correio foi muito mais utilizado pelos eleitores democratas do que pelos republicanos, motivo pelo qual os votos ainda não contabilizados tinham mais chances de serem favoráveis a Joe Biden do que a Donald Trump.

Fonte:EFE