Especialista da fintech ROIT, Beatriz Baggio, ressalta a importância de confiar nas ferramentas de TI como aliadas, e não como ameaças.

Gerar valor, em vez de apenas entregar atividades concluídas. Robotizar rotinas operacionais que só tomam tempo e recursos. Confiar nas ferramentas que proporcionam essa automatização, entendendo-as como aliadas, e não ameaças. Estas são algumas dicas que a Head de Produto da ROIT, Beatriz Baggio, lista aos profissionais de recursos humanos (RH) como imprescindíveis para a transformação digital da área nas organizações.

Fintech com sede em Curitiba e atuação em todo o Brasil, a ROIT tem entre seus produtos voltados ao RH o aplicativo People Club: um clube de benefícios que chega até o público consumidor final através de parcerias com empresas que queiram propiciar aos seus funcionários experiências únicas através de parceiros que vão de alimentação, saúde, entretenimento, lojas online e até crédito consignado.

“A automatização da área de RH é um processo que veio para ficar. Estamos apenas no início de uma jornada que nunca mais vai terminar. Como RH, somos agentes de transformação. Confie, isso é incrível!”, orienta Baggio.

Confira as cinco dicas listadas pela especialista da ROIT, para o profissional de RH começar a transformação digital na área de recursos humanos propriamente dita:

1. Reflita sobre as atividades do RH: Pense em como as atividades são realizadas, como estão distribuídas e quem são os envolvidos, além de quanto tempo levamos para realizar cada demanda. Para isso, é preciso levar em conta que a atividade (entrega) não basta ser necessária, é preciso gerar valor a ela. Ou seja, ao analisar a atividade é preciso responder às perguntas : “Será que realizando esta atividade estou agregando valor às pessoas e ao negócio? Eu posso deixar de fazê-las? Posso fazê-las de forma diferente?”

2. Desapegue das rotinas: Após o mapeamento, com certeza você perceberá que existem muitas rotinas operacionais sendo realizadas, algumas que geram bastante valor, outras menos. Aqui vem um outro conceito importante: Gestão Digital. O RH precisa de mais tempo para pensar e estar próximo do negócio e de onde tudo acontece: ao lado dos colaboradores. Para isto é preciso se DE-SA-PE-GAR de tarefas que consomem muito tempo, necessárias, porém, que podem ser realizadas de forma automatizada, com um pouco de planejamento, tecnologia e ferramentas certas. Destaque na lista as atividades que geram menor valor e podem rapidamente ser automatizadas e comece a transformação por elas.

3. Confie nas ferramentas: Plataformas com soluções integradas que permitem a gestão das rotinas, softwares que fazem o controle de jornada dos colaboradores, gestão de férias, ou do recrutamento, por exemplo, são soluções simples e estão bem próximas do dia a dia do profissional de recursos humanos. A automação e a confiança nestas ferramentas permitem ao departamento a possibilidade de assumir o papel digital. Além disso, estas ferramentas proporcionam a vantagem sobre o trabalho humano, porque não há subjetividade/interpretação subjetiva. Os processos de RH, quando bem projetados, devem agregar valor imediato e serem tão simples que todos os colaboradores, gestores, áreas envolvidas economizarão seu tempo valioso.

4. Foque nas pessoas: Abraçar a tecnologia não significa tirar os humanos do jogo. Na verdade, o RH terá ainda mais tempo para se conectar às pessoas. Foque no desenvolvimento estratégico da sua empresa, no desenvolvimento das pessoas que estão envolvidas nessa caminhada. Foque nos colaboradores, em cultura, treinamentos, em feedback. O engajamento do colaborador é a primeira grande conquista de uma estratégia de RH Digital bem planejada e implantada.

5. Use a inovação como estratégia central do RH: Em geral, o RH Digital possibilita uma grande economia de tempo e recursos, otimização nas rotinas, aumento da produtividade e mais eficiência na gestão. Desenvolver People Analytics (indicadores estratégicos de pessoas), por exemplo, é um poço de novas e infinitas fontes. Descobrir onde encontrar caminhos para inovar envolve conhecer a si mesmo e os ambientes ao seu redor. A transformação do RH e da organização não é um objetivo que se atinge, mas uma caminhada contínua. Continue acreditando nisso e fomente na empresa a transformação.