Ela é paulistana, tem 43 anos, solteira, mãe de 1 filha, jornalista/radialista e Dominadora. O RedeUSA, entrevistou Francine Zanqui a “Valentina Severa”, que nos contou como conheceu o mundo BDSM  (Bondage e Disciplina, Dominação e Submissão, Sadismo e Masoquismo) e como é viver este estilo de vida.

REDEUSA – Com qual idade você descobriu o BDSM?

VALENTINA SEVERO – Fui apresentada ao BDSM por um amigo, em 2012, e fui lendo muitos sites, pesquisando. Desvendei assim um mundo delicioso, mas que é preciso saber viver. Aliás, fica a dica.

REDEUSA – Como foi a sua primeira experiência BDSM?

VALENTINA SEVERO – Foi muito diferente do que eu imaginava, sabe quando se conhece o BDSM temos  ilusões de situações e práticas, mas no real é muito diferente. Mas descobri que ali estaria adentrando por uma porta que não teria o local de saída.

REDEUSA – Após conhecer o BDSM, porque optou pela dominação 24/07 – ter alguém lhe servindo 24 horas pode dia?

VALENTINA SEVERO – Eu nunca me imaginei vivendo um 24/7, pois é uma responsabilidade ter um escravo te servindo 24 horas por dia, mas tudo foi acontecendo e cá eu estou vivendo já a 3 anos.

REDEUSA – Sua família e amigos sabem que você vive um relacionamento BDSM, se sim, o que disseram?

VALENTINA SEVERO –  Sabem, nunca escondi de ninguém e nunca falaram nada, pois entendem que o que eu vivo só diz respeito a mim.

REDEUSA – Você como jornalista e radialista, este estilo de vida BDSM, gerou algum obstáculo profissional?

VALENTINA SEVERO – Não, porque eu quando me assumi BDSMER (Dominadora) eu já tinha a minha rádio e Tv web, e desde então me dedico apenas a ela.

REDEUSA – Pode nos relatar como é o dia a dia de um relacionamento BDSM 24/07, seu servo lhe obedece “cegamente”?

VALENTINA SEVERO –  Me obedecer cegamente não, temos limites acordados. Quanto ao dia-dia é fácil, ele que faz todos os serviços domésticos, desde lavar, passar, cozinhar e faxinar. Meu motorista, me serve de todas as maneiras mas é claro eu sempre respeitando os limites que foram acordados desde o inicio.

REDEUSA – Além do servo 24/07, você tem outros servos?

VALENTINA SEVERO – Sim tenho mais um que temos uma D/s ( Dominação e submissão), ele está me servindo há 4 anos, mas a servidão dele é esporádica, pois ele mora em outra cidade e vem uma vez por mês.

REDEUSA – Vocês quando saem de casa, frequentam apenas locais fetichistas ou vão em bares, restaurantes, shoppings, e se sim, nesses locais há servidão também?

VALENTINA SEVERO – Temos uma vida normal, vamos a todos os lugares, mas ele sabe onde é o lugar dele. Ele sempre anda um passo atrás de mim. Me serve primeiro e espera eu dar a ordem pra ele se servir.

REDEUSA – Você é dominadora por gostar, por dinheiro, ou pelos dois?

VALENTINA SEVERO –Sou Dominadora pelo estilo de vida, não faço sessões tributadas, as que cobram sessões são chamadas de DOMINATRIX.

REDEUSA – Há um motivo especial para adotar o nome VALENTINA SEVERO, no BDSM?

VALENTINA SEVERO –  Sempre gostei do nome Valentina, acho um nome forte, que combina com uma dominadora. E o Severo veio do meu amigo, que apresentou o BDSM a mim. Ele sempre me dizia: “Você é uma pessoa severa”, e assim nasceu a “Valentina Severo!”.

REDEUSA – Quais as práticas BDSM você e seu servo praticam?

VALENTINA SEVERO –Todas as práticas são deliciosas, cada uma tem o seu toque especial, e quando a gente se entrega inteiramente, tudo fica melhor ainda.

REDEUSA – Você tem uma Rádio e Tv web, fale-nos como funciona para que as pessoas que se interessam ou que não conhecem o tema BDSM, possam lhe acompanhar.

VALENTINA SEVERO –  Se iniciou como Rádio e há 2 anos virou  Tv Web. A  Tv  é segmentada voltada aos praticantes e iniciantes do BDSM, tenho um programa semanal que levo pessoas do meio pra passar suas vivencias e demonstrações de cuidados com as praticas do BDSM. Vamos ao ar todos os Domingos as 18h00 ao vivo pelo site www.agitaplaneta.com

REDEUSA – Qual a mensagem que você deixa àquelas pessoas que tem interesse em conhecer o mundo BDSM, mas que ficam com receio?

VALENTINA SEVERO –  Vivam, a vida é curta pra ficar oprimindo seus fetiches.

REDEUSA – Algo que deixamos de perguntar e você gostaria de acrescentar?

VALENTINA SEVERO – Só lembrar que o BDSM, presa por 3 palavras: São, Seguro e Consensual. Tudo é feito sempre com muita conversa, acordo e Consentimento.