* Por Isis Abbud, cofundadora e COO da Arquivei

Em tempos em que saber estruturar e analisar dados nunca foi tão importante para as organizações, os profissionais que possuem esta competência se destacam no trabalho. Especialmente para alavancar a carreira na Controladoria, aqueles que contribuem para transformar dados em valor e inteligência ao negócio, apoiam os líderes com estratégias ágeis para posicionar a empresa à frente da concorrência.

Na Controladoria, por exemplo, principalmente em análise tributária, há muito espaço para crescer nesta competência, diante da necessidade de gestão de uma gigantesca base de informações provenientes de transações fiscais da companhia.

Desafios da Controladoria

Há empresas, nas quais muitas vezes as iniciativas para automatizar e melhorar os processos da Controladoria esbarram na falta de uma cultura tecnológica de suas equipes. Essa resistência chega a ser um impasse para orquestrar operações e promover a integração de sistemas automatizados entre as áreas de Controladoria e TI. A verdade é que ambos setores não deveriam seguir caminhos divergentes e sim, convergentes. E isto fica ainda mais evidente, quando as áreas passam por processos de implementação de sistemas como ERPs, visando desafogar os times e reduzir a burocracia.

Além disso, nem sempre há tempo para planejar e agir neste sentido, pois os profissionais acabam imersos em processos burocráticos e manuais, deixando de dedicar tempo para buscar por recursos que podem aumentar sua produtividade e aperfeiçoar seu aprendizado.

A robotização de processos, que permite deixar de lado operações manuais, assim como o uso de tecnologias para agregar inteligência, ganham cada vez mais destaque. Contar com processos financeiros automatizados, como a gestão automática de documentos fiscais, aliado à competência dos profissionais para a interpretação inteligente e estratégica de dados, traz mais velocidade e eficiência à Controladoria e, consequentemente, à organização como um todo.

A Tax Trends 2021, uma pesquisa realizada pela Arquivei, em parceria com a Dootax – que reúne a opinião de profissionais da área de Fiscal/ Tax e envolvidos com tarefas relacionadas a tributos -, revela que é muito provável (para 65%) e provável (para 25%) dos entrevistados, que os profissionais com experiência em automatizar processos e ferramentas tecnológicas serão mais procurados do que antes.

Isto confirma a emergente demanda das empresas por profissionais capacitados digitalmente para atuar na Controladoria, assim como em outras áreas chave. Aliás, esta é uma necessidade acelerada pela pandemia, que ainda requer que os profissionais incrementem as suas habilidades com a capacidade de interagir no ambiente online junto aos seus pares e equipes descentralizadas geograficamente da organização.

Como propiciar o desenvolvimento de competências 

Está claro que os atuais e futuros profissionais de Controladoria precisarão criar competências analíticas, de interação entre equipes e de uso de ferramentas de governança para atender aos requisitos estratégicos das empresas na era digital.

O aperfeiçoamento em dados é o caminho. Não há dúvidas que investimentos em treinamentos, tecnologias de automação e de governança para transformar dados em valor ao negócio, trazem resultados expressivos como o ganho de tempo, otimização de processos e desempenho elevado. Sendo assim, é preciso ir além do cross-checking de informações e mergulhar na interpretação de dados.

As empresas devem seguir apostando em tecnologia e automação de processos, disseminando a cultura data driven entre suas equipes – como parte de seu processo de inovação -, e usar a análise de informações a seu favor, para se tornarem mais competitivas e conquistar o crescimento desejado.

Isis Abbud é COO e cofundadora da Arquivei, empresa brasileira que ajuda mais de 90 mil empresas em todo o país a transformar sua relação com as notas fiscais em valor para os negócios. Formada em Engenharia de Produção, Isis também é empreendedora na Endeavor e acumula experiência como consultora do Sebrae em inovação organizacional e de processos.